Memorial Abelardo da Hora

    

O Memorial Abelardo da Hora (MAH) abre-se ao público. Localizado no Espaço Cultural José Lins do Rego (Funesc), em João Pessoa, capital da Paraíba, o museu conta com um acervo formado por 215 peças assinadas pelo artista plástico pernambucano, entre esculturas monumentais, peças em bronze e cimento, cerâmicas, tapeçarias e pinturas em concreto e bronze.

Além de promover o acesso da população ao acervo, incluindo atividades educativas, a Funesc também realizará cursos, debates e eventos a partir da obra de Abelardo da Hora e de temas abordados pelo artista, como direitos humanos, democracia e lutas sociais. A ideia é fazer do acervo uma fonte de inspiração e de referência para as futuras gerações.

Para a construção da estrutura que abriga o memorial e a contratação e implantação dos projetos expográficos e luminotécnicos, além dos serviços de transporte das obras de arte e de montagem do acervo, o Governo do Estado da Paraíba investiu, aproximadamente, R$ 1 milhão. Avaliado em R$ 11 milhões, esse material era mantido pela família do artista em um casarão da capital pernambucana. Com a doação, em termo assinado em outubro de 2018, o governo paraibano passou a ser o guardião do valioso conjunto artístico ― a partir de agora, a Paraíba passa a abrigar o maior acervo de obras expressionistas do Nordeste.

 



Sobre o artista


Abelardo da Hora ― Considerado um dos maiores escultores brasileiros do século XX, Abelardo Germano da Hora nasceu no dia 31 de julho de 1924, na cidade de São Lourenço da Mata, em Pernambuco. Formado pela Escola de Belas Artes do Recife, era escultor, pintor, desenhista e gravador. Vanguardista, foi um dos fundadores da Sociedade de Arte Moderna do Recife e um dos precursores da arte cinética no país, além de ser mestre de toda uma geração de artistas pernambucanos de renome, como Francisco Brennand, José Cláudio, Corbiniano Lins, Guita Scharifker, Gilvan Samico e Wellington Virgolino.

Tornou-se famoso sobretudo como escultor, com peças que podem ser vistas em vários países do mundo, como: China, França, Estados Unidos, Suíça, Rússia e antiga Tchecoslováquia. No Brasil, integra os acervos do Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, Museu do Solar do Unhão na Bahia, Masp (Coleção Pietro Maria Bardi), Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP), Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam) do Recife e em inúmeras coleções particulares.

Além da trajetória que o consagrou como um dos grandes nomes das artes plásticas do Brasil, Abelardo da Hora teve forte participação na vida política nacional, como dirigente do Partido Comunista Brasileiro, integrando a luta pela redemocratização do Brasil, entre as décadas de 1940 e 1960. Além de artista plástico, era também bacharel em direito, formado pela Faculdade de Direito de Olinda, e casado com a poeta paraibana Margarida Lucena, com quem teve sete filhos. Faleceu na manhã do dia 23 de setembro de 2014, em Recife-PE, aos 90 anos de idade.


Horários, valores e agendamentos

Endereço: Av. Abdias Gomes De Almeida, 800, Tambauzinho, João Pessoa (PB).

Acesso: subsolo da rampa 1

Horário de sessões: Terça a Sexta, às 9h 17h | sábado e domingo e feriados: 10h às 16h 

Entrada gratuita