Projeto Música do Mundo tem edição especial em comemoração ao Dia Nacional do Choro

SILVERIO PONTES - FOTO 1Celebrado oficialmente em 23 de abril, em homenagem à data de nascimento de Pixinguinha, verdadeiro ícone da música popular brasileira, o Dia do Nacional do Choro é lembrado pela Funesc. Edição especial do projeto Música do Mundo comemora a data com show do trompetista Silverio Pontes (RJ), que traz como convidado o trombonista Marcos Flávio (MG). O acompanhamento fica por conta do grupo paraibano Pé de Choro. O show acontece no dia 5 de maio, às 20h, no Teatro Paulo Pontes e tem como atração de abertura o grupo paraibano Pé de Choro. A apresentação também marca o encerramento do II Encontro de Choro da UFPB. O acesso custa R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada).

Em sua passagem pela capital paraibana, Silverio Pontes também participa de atividade de extensão dentro II Encontro de Choro. Na sexta-feira (4 de maio), ele realiza um workshop ao lado de Marcos Flávio, às 17h, no Departamento de Música da instituição.

FOTO MARCOS FLÁVIOFilho de trompetista, Silverio Pontes cresceu ouvindo bandas de músicas do interior e por elas foi influenciado diretamente desde a infância. Mais tarde, aos 17 anos, veio estudar na Escola de Música Villa Lobos e na Escola Nacional de Música. Virou músico profissional para, em seguida, ser convidado por Luiz Melodia para sua primeira turnê, no ano de 1986.

Daí em diante não parou mais. Depois desta primeira turnê, gravou e tocou por todo o país com a Banda Vitória Régia, de Tim Maia, por 12 anos. Tocou também com diversos outros artistas como: Elza Soares, Ed Motta e Cidade Negra. Mesmo com todas essas atividades, Silvério e o amigo Zé da Velha mantêm uma parceria musical desde 1985 que já rendeu à dupla cincos discos.

Álbum comemorativo – Ao completar 40 anos de carreira, o trompetista Silvério Pontes acaba de se render a uma parte das centenas de melodias que habitam sua cabeça. Eis que a cabeça do instrumentista revela-se uma verdadeira festa! E toda essa festa está no seu primeiro CD autoral: “Reencontro”.

FOTO GRUPO PÉ DE CHOROO tal “Reencontro” é consigo mesmo, com sua criatividade, com suas emoções, com seu talento e toda a sua versatilidade. Se o choro sempre foi o carro-chefe do trabalho de Silvério Pontes, ele puxa um cortejo de ritmos, estilos e gêneros. Diversidade que o compositor e violonista Guinga exalta com empolgação: “Trompete da Cantareira. Flugel do Valonguinho. Cafifa com surdina. Piston com rabiola. Um certo ar de coreto, baile, cortejo, parada de Sete de Setembro, toque de silêncio… Corneta que te quero corneta!

Seu Fluminense destinado ao sucesso. Grande artista brasileiro! Você lembra as aves da Ponta d`Areia. Sua música é linda!”.

O CD “Reencontro” tem concepção e idealização de Silvério Pontes. Da alegria da faixa “Polca na praia” à romântica “Amor eterno”, do choro ao jazz, Silvério passeou por lembranças de infância com a circense “Hoje tem marmelada” e rendeu homenagens ao ídolo, o compositor e instrumentista Astor Piazzolla (compositor e instrumentista) e ao parceiro de décadas, o trombonista Zé da Velha, que não poupou elogios: “Conheço o Silvério há 32 anos e ele já era um músico talentoso. Mas, durante esse tempo, ele evoluiu muito e agora se mostra um compositor de belas melodias. A música em minha homenagem foi um presente que eu não esperava; fiquei muito emocionado. Durante esses anos interpretamos juntos os compositores brasileiros e agora tenho a alegria de apresentá-lo como compositor. Adorei a variedade de estilos!”

Lançado pelo selo Des Arts, “Reencontro” é, realmente, pródigo em estilos. Afinal de contas, Silvério recebeu influências variadas desde que ganhou seu primeiro trompete, aos oito anos de idade: tocou e gravou com artistas diversos como Tim Maia – que acompanhou como integrante da banda Vitória Régia por 12 anos –, Paulinho da Viola, Luiz Melodia, Elza Soares, Francis Hime, Beth Carvalho e Yamandú Costa.

Marcos Flávio (MG) – Professor da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde exerce intensa atividade didática como professor de Trombone, Práticas Interpretativas do Choro e Coordenador do Coral de Trombones e Tubas da UFMG.

É professor convidado de vários festivais de música dentro e fora do país. Membro da ITA (Internacional Trombone Association) e da ABT (Associação Brasileira de Trombonistas). Tem apresentações registradas no Clube do Choro de Paris (FRA), Buenos Aires (ARG), Madri (ESP), Montevidéu (URU), Clube do Choro de Brasília (DF), Expomusic – Yamaha (SP), Clubes do Choro de Belo Horizonte, Betim e Juiz de Fora (MG), Projeto Minas ao Luar (SESC – MG), dentre outros. Já se apresentou com várias orquestras, dentre elas as Filarmônicas de Minas Gerais e Espirito Santo, Sinfônicas de Minas Gerais, da UFPB e UFMG e Bandas Sinfônicas da UFMG, da Cidade de Natal (RN), Betim(MG) e FAMES (ES) como solista ou músico convidado.

Já dividiu o palco com músicos como Maria Schneider (EUA), Frank Sinatra Jr.(EUA), Bil Allread (EUA), Jeff Rupert (EUA), Rosa Passos, Gal Costa, Ivan Lins, Rafael Rocha, Chico Amaral, Ronaldo do Bandolim, Zé da Velha, Joel Nascimento, Vitor Santos, Henrique Cazes, Silvério Pontes, José Milton Vieira, Cléber Alves, Wilson das Neves, Monarco, Nelson Sargento, Radegundis Feitosa, Hamilton de Holanda, Carlos Malta, Mauro Rodrigues, Ramon Braga, José Paulo Becker, Nilsinho Amarante, Dudu Braga, Juarez Moreira, Nivaldo Ornelas, Silvio Carlos, Teco Cardoso, Toninho Horta, dentre outros.

Participa dos grupos Trombominas, Jazz Mineiro Orquestra, Flor de Abacate, Choro de Minas, Happy Feet Jazz Big Band, Zé da Guiomar e Copo Lagoinha. Além das várias participações como músico convidado em Cds e Dvds de vários artistas e orquestras tem três Cds solo e um DVD: Chorobone(2005), Trombones Geraes(2007), Coletânea(2015) e o DVD Choro de Minas ao Vivo (2016). Marcos Flávio usa Trombone Yamaha Xeno YSL- 882OR.

Pé de Choro – O grupo iniciou suas atividades com a música instrumental em João Pessoa no início de 2017, propondo novas composições, bem como arranjos de músicas de compositores consagrados e também de nomes da cena atual, com foco na produção do cenário da música autoral paraibana. Atualmente, o grupo trabalha no sentido de divulgar as composições de seus integrantes, visando a gravação de um álbum autoral no segundo semestre de 2018.

Sempre presente nas rodas de choro da capital paraibana, o grupo se apresentou no show de encerramento do I Encontro de Choro da UFPB em 2017, no Café da Usina Cultural Energisa, acompanhando o cavaquinista Henrique Cazes (RJ), realizou temporada no Lagoa Shopping e mensalmente se apresenta no espaço Budega Arte Café, além de integrar o projeto de extensão do professor Eduardo Fiorussi, integrante do grupo. Sua formação conta com Eduardo Fiorussi (bandolim), Costinha (sax e flauta), Lucas Andrade (clarineta), Dennis Bulhões (bateria), Cledinaldo Júnior (violão 6 cordas), Jader Finamore (cavaquinho), Luis Humberto (violão 7 cordas) e Mariana Rampazzo (pandeiro).

Música do Mundo – O projeto é uma ação promovida pela Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) que tem como objetivo a valorização dos artistas e da música contemporânea. A cada edição, artistas brasileiros e de outros países ocupam o palco da Sala de Concertos. O lançamento aconteceu em agosto de 2015. Uma das características do projeto é o preço popular do ingresso, de forma a permitir ao público acesso às atrações de qualidade internacional.

Serviço

Música do Mundo especial – Dia Nacional do Choro / Encerramento do II Encontro de Choro da UFPB

Atrações: Silverio Pontes (RJ) convida Marcos Flávio (MG)

Acompanhamento: Grupo Pé de Choro (PB)

Data: 05/05, às 20h

Local: Teatro Paulo Pontes

Entrada: R$ 10 (meia) e R$ 20 (inteira)

Deixe uma resposta