Orquestra Infantil da Paraíba

A Orquestra Infantil da Paraíba foi criada em 1986 pela professora Izabel Burity e, desde então, é coordenada e regida pela professora Norma Romano, nascida em Buenos Aires, Argentina.

A Orquestrinha é um bem cultural da Orquestra Sinfônica da Paraíba, e como tal, visa à formação cultural e social da criança e do adolescente através da prática instrumental, incentivando o convívio e a partilha de esforços, buscando incutir conceitos de trabalho em equipe, disciplina, respeito e superação. Para tanto, fomenta anualmente o ingresso de novas crianças através de audições que buscam selecionar os promissores instrumentistas mirins.

A OIEP tem como ideais promover a descentralização e democratização do acesso da população às diferentes atividades artísticas desenvolvidas pela mesma, e divulgar um repertório sinfônico universal, enfatizando a interpretação da música brasileira e, em especial, a nordestina. Por isso, ao longo destes anos a OIEP tem realizado apresentações pelo Brasil e também no exterior. Destacamos os concertos internacionais realizados na Argentina (1994 e 1997) e nos Estados Unidos (1996 e 1998) que suscitaram críticas e comentários elogiosos. Em 2007 a OIEP volta a Buenos Aires para participar do VII Encontro Internacional de Orquestras Infantis e Juvenis e mais uma vez encanta a todos, principalmente na interpretação do seu repertório de peças eruditas, argentinas, brasileiras e especialmente nordestinas.

Em outubro de 2014, após os concertos da semana da criança, a então regente Norma Romano afastou-se por motivos de saúde, assumindo a regência da Orquestra o professor Marcelo Vasconcelos. Dona Norma, como era conhecida, continuou fazendo arranjos e acompanhando as audições e concertos da Orquestrinha, mesmo de longe. No dia 2 de setembro de 2015, Dona Norma veio a falecer, deixando várias gerações de músicos e alunos brilhantes, conhecidos nacional e internacionalmente graças ao seu empenho e dedicação.

Norma Romano nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 19 de dezembro de 1930. Iniciou seus estudos musicais com a irmã do compositor francês Eric Satie. Aos 17 anos de idade ingressa no Conservatório Nacional de Música Carlos Lopez Buchardo, formando-se com a nota mais alta de sua turma. No ano de 1950 ingressa no curso de composição, sendo aluna do compositor Alberto Ginastera.

Ganhou várias bolsas de estudo em Buenos Aires; em Paris, na Schola Cantorum; e em Nova York, no Mannes College (EE.UU). Entre suas premiações, destacam-se como Professora de Piano no Conservatório Nacional, Professora de Piano no Conservatório Municipal, e como Professora de Cravo na Cátedra de Criação no Conservatório Nacional.

Realizou vários concertos em Buenos Aires, no Teatro Colón, Teatro General San Martin, Teatro Nacional Cervantes, na Rádio Municipal, na Rádio Nacional, no Teatro Argentino de La Plata, entre outros. Gravou também dois concertos de Antonio Vivaldi e a cantata Alagamar, de J.A. Kaplan.

No ano de 1979, se demite das Cátedras Oficiais para viajar à Paraíba, convidada pela UFPB. Atuou como tecladista da Orquestra Sinfônica da Paraíba – OSPB durante oito anos. Finalmente aos 79 anos concluiu seu doutorado em Composição no antigo Conservatório Nacional da Argentina, hoje Instituto Universitário Nacional de las Artes – IUNA.

MARCELO VASCONCELOS – REGENTE

Violinista de formação, iniciou seus estudos aos 4 anos integrando o projeto espiral da FUNESC. Três anos depois passou a receber orientações do professor Leopoldo Nogueira. Integrou, como spalla, a Orquestra Infantil do Estado da Paraíba, sob regência da maestrina Norma Romano. Formou-se bacharel na UFPB sendo orientado pelo professor Hermes Cuzzuol. Foi membro fundador do Grupo Armorial marista, Orquestra de Câmara de João Pessoa e Orquestra Sinfônica da UFPB. Trabalhou como professor auxiliar na OIEPB por 3 anos. Hoje, segue tendo orientações do professor Leopoldo Nogueira e ocupa o quadro efetivo de músicos da OSUFPB, OSMJP e o cargo de maestro da OIEPB.

Deixe uma resposta