Escola de Circo encanta usuários do Juliano Moreira e ajuda na recuperação

ses-hosp-juliano-recebe-oficina-de-circo-da-funesc-e-usuarios-ficam-encantados-foto-ricardo-puppe-1
Foto: Ricardo Puppe

“Adorei vir aqui hoje. Me distraí e fiquei muito alegre”. Este foi o sentimento de André dos Santos, de 31 anos, usuário do Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira, depois de ter participado das atividades na Escola Livre de Circo Djalma Buranhém, do Espaço Cultural, na tarde da quarta-feira (5).

A atividade resultou de parceria da Secretaria de Estado da Saúde (SES) com a Fundação Espaço Cultural (Funesc), que permite a expansão do projeto de humanização Beija-Flor, desenvolvido pela instituição. O projeto oferece atividades aos pacientes de maneira que eles diversifiquem seus ambientes de vivência, conhecendo outros meios e auxiliando na recuperação.

“A reação deles nos emociona de tanto que ficam felizes. Sempre que vão para estas atividades é como se ficassem renovados e também é muito bom vê-los interagindo. Isso tudo contribui para a recuperação e a diminuição do período de internamento”, disse a chefe do Núcleo de Ações Estratégicas, do Juliano Moreira, Ana Karina Soares.

Os usuários passaram a tarde se divertindo com o artista multimídia, Dadá Venceslau, que dá aulas de palhaço no Circo da Funesc. Vestido de palhaço, ele fez algumas mágicas e muitas brincadeiras, sempre com a participação da plateia que aplaudia, ria e até tentava desvendar os truques.

“Saio daqui reenergizado. Em apresentações para um público tão especial como este, é quando a gente percebe que tudo é possível e que não existe barreira para o sorriso”, declarou o artista.

Desde que chegou ao Juliano, há 15 dias, esta foi a primeira vez que Maria Betânia participou de uma atividade fora do Complexo. Além de interagir o tempo todo, ela ficou encantada com a atividade. “Foi uma coisa linda! Ajudou a gente a ficar mais calma e tranquila”, disse.

O Projeto Beija-Flor disponibiliza ainda, dentro do Complexo, o Espaço de Convivência Nise da Silveira, que integra a praça “Beija-Flor”, a sala “Espaço Luz”, para produção de artes plásticas e a biblioteca “Arco-Íris”. O objetivo do Centro é colocar o paciente em companhia da natureza e dar a oportunidade de participar de diversas atividades dentro do Juliano.

Fonte: Assessoria de imprensa/SES

Deixe uma resposta